Quando você quer comprar um carro, você – provavelmente – faz algumas pesquisas de mercado buscando o melhor carro pelo menor preço possível. No mercado financeiro não é diferente, e existem duas metodologias de análises que podem te ajudar a achar os melhores ativos. A fundamentalista e, o foco do post de hoje, a análise técnica (ou grafista).

O objetivo do analista técnico é conseguir antever mudanças no mercado e lucrar com isso.

O que é análise técnica

Análise técnica deixa muita gente confusa

Nos investimentos, é definida como análise técnica (ou grafista) o estudo da variação de um ativo de renda variável de modo a prever seu comportamento futuro.

Se o investidor consegue prever o movimento de uma ação, ele consegue fazer dinheiro com ela.

A análise grafista é bastante utilizada para operações de curta duração. É uma boa estratégia para identificar o cenário mais provável para que o preço de uma ação suba ou caia. Exatamente por essas características, se tornou uma análise muito popular entre traders.

De acordo com John J. Murphy, considerado pai da análise gráfica:

“Análise grafista ou técnica é o estudo dos movimentos do mercado, principalmente pelo uso de gráficos, com o propósito de prever futuras tendências no preço”

Como funciona

Lembra da famosa lei da oferta e da procura? É ela que dita se o preço de um ativo sobe ou desce e é exatamente nesse princípio que a análise grafista se baseia.

O preço de um ativo é determinado a partir do equilíbrio entre oferta e procura do mesmo. Ou seja, entre a quantidade de investidores dispostos a comprar e quantidade de ativos disponíveis para serem negociados.

Quem compra ou vende ações são seres humanos, que nem sempre são 100% racionais e muitas vezes seguimos padrões pré-estabelecidos.

O analista técnico consegue compreender e antever esses padrões analisando gráficos (gráficos de vela) e indicadores específicos. Um trader bem treinado sabe exatamente para onde olhar e consegue fazer dinheiro com isso.

Para onde o analista olha?

Para onde o analista olha

Antes de mais nada, o analista trabalha olhando para gráficos de vela. Esses gráficos são uma forma de entender tanto o preço do ativo como sua volatilidade em determinado período. Para entender melhor como funciona um gráfico de vela, dá uma lida no meu post aqui no blog.

Suportes e Resistências

Um suporte ou uma resistência é uma faixa de preços que um ativo costuma ter dificuldade de ultrapassar.

Pense numa ótima ação que custa R$50. Vamos supor que aconteceu algum evento ruim, o que derrubou essa ação para R$25. Nesse momento, muitas pessoas percebem que esse preço está bem baixo e faz com que eles a comprem. Dessa forma, essa ação não desceu mais do que R$25. Se o investidor consegue prever o movimento de uma ação, ele consegue fazer dinheiro com ela. Quando esse movimento se repete por algumas vezes, diz-se que o suporte dessa ação é em R$25.

Resistências seguem a mesma lógica, porem são faixas superiores de preço dos ativos. É como se fosse um “teto” imaginário que a ação não consegue ultrapassar facilmente.

Grafico de velas petrobras petr4

Na imagem em questão, podemos ver que PETR4 (Petrobrás) tinha uma resistência próximo de R$16 reais no final de 2016 e início de 2017. Quando o valor da ação chegava próximo a esse preço, ele caia.

Conhecendo um suporte ou a resistência de um ativo, você consegue lucrar, pois sabe qual o comportamento dele após chegar naquela faixa de preço.

Tendências

Nosso velho amigo Aurélio define tendência como “aquilo que leva alguém a agir de certa forma; predisposição, propensão.” Aplicando na análise técnica, podemos dizer que tendência é a reação exibida no gráfico de um ativo, criando padrões. No português claro, o sentido do movimento do preço de uma ação. Podendo ser:

Na análise técnica, linhas de tendência são como suportes ou resistências inclinadas.

Pense no caso da Petrobrás ali em cima, onde toda vez que a ação chegava perto de R$16 ela caia. Imagine que essa resistência aumente com o tempo. Em janeiro ela é R$16, em fevereiro, R$17 e em março R$18.

Esse comportamento evidencia uma linha de tendência de alta.

É mais fácil compreender esse comportamento olhando uma figura
Grafico de velas Itausa ITSA4Perceba no gráfico acima, uma clara linha de tendência de alta (linha cinza inclinada) em ITSA4. Toda vez que o preço da ação tocava a linha de tendência, ele subia.

Embora pareça fácil, identificar uma linha de tendência de forma correta é uma tarefa complicada.

Padrões gráficos

O gráfico de velas ajuda a visualizar alguns padrões já conhecidos pelos analistas. Geralmente quando esses padrões surgem, o analista já sabe o que acontece a seguir e consegue se posicionar e lucrar.

Um exemplo de padrão é o famoso “Ombro Cabeça Ombro”, também chamado de OCO.
Quando o segundo ombro é formado, a tendência é que o ativo perca valor.
Gráfico ombro cabeça ombro

Conclusão

A análise técnica vem sendo aperfeiçoada a cada dia. Cada analista tem seus métodos e indicadores que usa para prever o mercado. Existem outros inúmeros parâmetros, padrões, indicadores e ferramentas usadas pelos grafistas.

Quer aprender mais?

Se interessou pela análise técnica e quer se aprofundar mais? Eu separei aqui alguns livros que vão te ajudar a dominar essa estratégia:

  1. Technical analysis of the financial markets – John J. Murphy
  2. Análise Técnica dos Mercados Financeiros – Flávio Lemos
  3. Candlestick – Carlos Alberto Debastiani
  4. Operando na Bolsa de Valores Utilizando Análise Técnica – Joseilton Correia

#PraPreguiçosoLer

Análise técnica é…

Uma forma de analisar um ativo e saber a melhor hora de comprar ou vender.

Análise técnica é aplicável só no mercado de ação?

Não. Como ela analisa o comportamento do mercado como um todo, ela é aplicável para qualquer mercado de livre compra e venda.

O que é gráfico de vela

É a principal ferramenta do analista técnico. Com ele, o analista consegue identificar diversos padrões para saber se deve ou não comprar o ativo em questão.