fbpx
Usar de graça Acesse sua conta

O que é renda passiva e porque você precisa focar nela

Acredito que se você está lendo esse blog, tem o desejo de alcançar a sua independência financeira. Antes de mais nada, gostaria de te parabenizar. São poucos brasileiros que pensam assim, embora o número esteja crescendo ultimamente.

Alcançar a independência financeira parece ser algo extremamente complicado, que poucos conseguem atingir. A gente pensa naqueles artistas famosos que ficaram milionários, nos jogadores de futebol, grandes empresários, etc.

Aí olhamos para nossas vidas mais cotidianas e pensamos “como que eu vou alcançar a tão sonhada independência financeira?”.

A verdade é que não é tão complicado quanto parece, embora exija um pouco de estudo, comprometimento e paciência.

No fim, tudo se resume a uma conta simples de Receitas – Despesas.

Se suas receitas são maiores que suas despesas, você atingiu, de certa forma a independência financeira.

Mas vamos nos aprofundar nesse assunto. Na verdade existem dois tipos de receita, ou renda: a ativa e a passiva

Renda ativa

Essa é a principal fonte de receita que nós pensamos quando imaginamos o difícil caminho em direção à independência.

A renda ativa é aquele dinheiro que nós recebemos por algum esforço.

É o salário que recebemos mensalmente por executarmos algum trabalho.

A regra é simples. Se você trabalhar, vai ganhar o dinheiro. Se não trabalhar, não ganha.

Pense num músico. Se ele fizer shows, ele ganha dinheiro. Se não fizer, não ganha. (Desconsideremos outras fontes de receita por ora)

Renda passiva

Diferentemente da ativa, esse tipo de renda existe mesmo sem você se esforçar diariamente.

Warren Buffet diz que se você não descobrir uma forma de fazer dinheiro enquanto dorme, vai ter que trabalhar até morrer.

A renda passiva é justamente ao que Buffett se refere ao dizer “fazer dinheiro enquanto dorme”.

Voltemos ao caso do músico. Se ele tem músicas cadastradas em aplicativos de streaming, ele ganha um dinheiro toda vez que alguém ouve aquela música.

Veja aqui uma forma de ter renda passiva todo mês

Tipos de renda passiva

Investimentos

Existem dois tipos de investimento: crédito e participação.

Crédito é quando você empresta dinheiro e vai receber um valor predeterminado lá na frente.

Participação é quando você coloca dinheiro e entra como sócio. A receita no futuro não é predefinida como no caso de crédito, mas você se torna sócio daquilo. Se os lucros forem altos, você tem um percentual deles.

Quando você investe, seja por crédito (renda fixa) ou participação (renda variável), você está emprestando dinheiro para quem precisa de dinheiro para realizar algum empreendimento, negócio, tarefa.

Essa pessoa ou instituição vai se encarregar de usar esse dinheiro para render frutos no futuro. Você receberá um pedaço desses frutos futuros.

Percebe o quão interessante isso é? Ela é uma renda passiva. Você recebe dinheiro sem ter que dedicar tempo ou esforço àquilo.

Voltando ao exemplo do músico. Bono Vox, o vocalista da lendária banda U2 que está na ativa, fazendo hits, cds, shows, etc desde 1976 investiu no Facebook em 2009.

Esse investimento rendeu mais dinheiro a Bono do que toda a sua carreira como músico.

Royalties

Um músico que cria um hit tem direito de receber uma receita toda vez que essa música é tocada em festas, propagandas, etc.

Ele tem direito a receber um percentual de cada venda de CD, ou por cada vez que sua música é tocada nos apps de streaming.

O músico se esforçou para criar aquela música, mas depois disso, ele obtém renda passiva dela.

Aluguel

Caso clássico brasileiro. Você compra um apartamento, faz uma reforma e depois o coloca para alugar. A partir dai, ele gera uma renda passiva mensalmente, quando o inquilino paga o aluguel.

O que significa independência financeira

Segundo Kiyosaki, a independência financeira acontece quando a sua renda passiva é maior do que seus custos.

Isso significa na prática que você não PRECISA mais trabalhar para viver.

Claro que pode, caso almeje outras metas, caso goste, mas a verdade é que não é necessário.

No fim das contas, a independência financeira depende do quanto você gasta e do quanto você tem de renda passiva. A renda passiva costuma ser derivada de quanto você consegue investir.

O apartamento que você vai comprar para alugar depende do quanto de montante você tem. Por isso, a renda ativa ajuda a sinergizar com a renda passiva.

No fim das contas, a lógica é simples: a renda ativa te permite começar a investir e formar uma renda passiva. Com os dois trabalhando juntos, você consegue chegar na sua independência financeira. Pode demorar, mas é factível.

Renda ativa x Renda passiva – Qual a melhor?

Quando somos novos, a renda passiva costuma ser um valor irrisório. Pequenos montantes de dinheiro investidos não geram quantidades colossais de retorno.

É fácil para o jovem cair nessa armadilha e desistir de investir por causa disso.

Não se engane. Investimentos seguem uma curva exponencial, porque são regidos pela lei dos juros compostos.

O que pode ser pouco no começo passa a ser uma quantidade expressiva lá na frente.

O pessoal costuma brincar que os grandes bilionário da bolsa têm cabelos brancos. Não é coincidência. É porque demora mesmo. É importante ter paciência.

Olhando ao longo de uma vida, a renda passiva é muito mais importante do que a renda ativa. Se for olhar no curto prazo, a renda ativa é sempre maior.

Não acredita? Vamos a um exemplo que eu adoro fazer e mostrar para amigos. Inclusive, eu comecei a investir depois de fazer essa simulação e ver que virar milionário não era uma questão de sorte, mas sim de trabalho, investimento e paciência.

Imaginemos uma pessoa que tem 20 anos e aporta R$2.000 por mês ao longo de 30 anos. Lembre-se que isso é uma simplificação. É difícil sobrar R$2.000 para um jovem de 20 anos, mas por outro lado, aos 50, é esperado que ele esteja poupando muito mais.

Ao longo desse tempo, também simplifiquemos a rentabilidade anual dele para 6%. Hoje (09/02/2021) havia Tesouro Direto Prefixado negociado a 6,18% só para mostrar que não é um número maluco.

De novo, uma simplificação.

Mas vamos aos números.

Sabe quanto de dinheiro essa pessoa tem depois de 30 anos? R$ 2,3 milhões. Sendo que ela investiu ao todo R$ 770 mil. Isso significa que mais da metade do montante veio da renda passiva.

Se aumentarmos a janela de tempo para 40 ou 50 anos, essa diferença se torna maior ainda.

Isso acontece porque a renda ativa cresce linearmente enquanto a renda passiva, exponencialmente. Quando ela começa a empinar, ela cresce de forma explosiva.

Quais os melhores investimentos para renda passiva

Quando se investe pensando em renda passiva, geralmente pensa-se em dividendos.

Isso acontece quando se investe em uma ação que não paga dividendos, sua valorização não significa entrada de dinheiro no bolso. Essa entrada só acontece no momento em que as ações são vendidas.

Por isso, vou elencar alguns dos ativos que pagam dividendos periodicamente.

Antes, só uma definição rápida: Dividend Yield, ou DY é o valor que o ativo paga de dividendos dividido pelo seu valor de mercado num determinado periodo de tempo.

Se uma ação pagou R$10 de dividendos no ano e vale R$100, seu DY é de 10% (10/100).

Fundos imobiliários

Eles funcionam como se você fosse dono de bens imobiliários e recebesse aluguel por eles (existem alguns casos que são diferentes, mas não nos atenhamos a eles).

Quando se investe num fundo imobiliário, ou FII, o investidor recebe proventos equivalentes a 95% do valor recebido de aluguel do fundo todo mês.

FIIs são excelentes pagadores de dividendos. Uma boa média de DY mensal de FII é entre 0,4% e 0,8%.

Isso significa que se você investe R$10.000 num ativo que paga 0,8% de dividendos ao mês, você recebe R$80 líquidos de imposto ao mes. Pode parecer pouco, mas lembre-se de como os juros compostos funcionam. No começo é pouco, mas vira uma bola de neve positiva depois. Lembre-se do exemplo mostrado acima.

Quer saber mais sobre FIIs? Escrevi um texto no blog falando sobre eles.

Tesouro Direto com juros semestrais

Existem dois títulos do tesouro direto que pagam juros semestrais, que na prática funcionam como dividendos.

São o Tesouro IPCA+ com juros semestrais e o Tesouro Prefixado com juros semestrais.

Eles valorizam e desvalorizam de acordo com o mercado, assim como seus irmãos sem juros semestrais.

A diferença é que duas vezes ao ano, eles pagam juros semestrais, que são análogos aos dividendos.

Os IPCA+ com Juros semestrais pagam 6% do valor de face do título em juros semestrais. Isso significa um DY anual de 6%.

Os Prefixados com Juros semestrais pagam 10% do valor de face, o que significa um DY anual de 10%.

Um detalhe importante: os juros semestrais pagos pelos títulos do tesouro não são isentos de IR como os FIIs. Eles seguem a tabela regressiva de renda fixa.

Quer saber mais sobre Tesouro Direto? Escrevi um texto no blog falando sobre eles.

Ações

Existem duas formas de fazer dinheiro com ações:

  • Valorização do papel, que é regido pela oferta e demanda dos papéis no mercado
  • Pagamento de dividendos, que é a empresa repartindo uma parte dos lucros com o mercado.

Mapa dos dividendos: veja como embolsar os maiores pagamentos vindos das melhores empresas do Brasil

Foquemos no pagamento de dividendos, porque traz dinheiro para a sua conta. A valorização do papel só vira dinheiro de fato no momento da venda do papel.

Empresas bem consolidadas, com fortes lucros tendem a distribuir uma parte desses lucros na forma de dividendos. Cada uma tem a sua política para fazer isso.

Boas empresas pagadoras de dividendos tendem a ter um dividend yield entre 5 e 10% ao ano.

Conclusão

Renda passiva é aquele dinheiro que você ganha sem um esforço direto. É onde devemos focar para atingir nossa independência financeira.

Investir garante uma renda passiva. Não se engane. No começo, ela costuma não ser expressiva, mas por seguir uma curva exponencial, no longo prazo a renda passiva tende a explodir.

Buscar fontes de renda passiva é uma forma de conseguir complementar a sua renda do trabalho e alcançar a independência financeira mais rápido.

215 / 256