O que é previdência privada

Sabe aquele dinheiro que você guarda para quando se aposentar? Os fundos de previdência privada são uma ferramenta criada justamente para te ajudar com isso.

Quando se pensa em aposentadoria, a previdência privada tem muita vantagem em relação a outros investimentos de longo prazo. Isso acontece porque ele tem benefícios fiscais, que no longo prazo fazem uma diferença gritante.

Principais características

O fundo de previdência funciona como um fundo normal, mas com algumas particularidades. Para entender melhor esse tipo de investimento, decidi escrever as características mais marcantes dele em formato de tópico

Não sabe como funciona um fundo de investimento? Dá uma lida nesse post aqui do blog.

Não tem come-cotas

Fundos de investimento normais sofrem com come-cotas duas vezes por ano. O come-cotas é a forma que o governo usa para cobrar impostos dos fundos. É cobrado 15% do lucro obtido no período em cotas do fundo. Como os investimentos se beneficiam de juros compostos, perder cotas ao longo do tempo faz com que sua rentabilidade seja bastante prejudicada.

Fundos de previdência não tem come-cotas: o imposto é cobrado no resgate. Parece uma diferença pequena, mas dá uma olhada na imagem a seguir para ter uma noção melhor.

Diferença que come-cotas faz na rentabilidade

Os dois fundos do exemplo acima tiveram a mesma rentabilidade (10% ao longo de 30 anos). O problema é que o investidor que aplicou no fundo laranja viu 15% dos seus lucros irem embora 2 vezes por ano. Já no caso do fundo azul (previdência), esse valor só é cobrado no resgate. A diferença é clara.

VGBL x PGBL

VBGL e PGBL devem ser definidos no início

No momento que você decide criar um plano de previdência, você se vê diante de uma escolha: VGBL ou PGBL? Eles dizem respeito aos benefícios fiscais que você vai ter ao longo do tempo.

PGBL

O Plano Gerador de Benefício Livre permite que o investidor deduza até 12% da sua renda tributável anualmente.

Por exemplo: uma pessoa tem renda de R$40.000 no ano. Sua alíquota de imposto de renda é 22,5%. Se essa pessoa tem um plano de previdência PGBL, ela pode investir até 12% da sua renda (R$4.800) e abater essa quantia do IR.

Nesse caso, sua renda abatida (R$ 35.200) passa a se enquadrar na alíquota de 15%. Sendo assim, esse investidor vai pagar 15% em cima de R$ 35.200 ao invés de 22,5% em cima de R$40.000. Isso significa pagar R$5.280 ao invés de R$9.000, ou seja, uma economia de R$ 3.720.

No momento que a previdência é resgatada, o investidor paga esse imposto que foi abatido.

Achou muito complicado? O VGBL é mais simples.

A lógica dessa modalidade é ter mais dinheiro no presente e deixar para pagar os impostos no futuro.

Esse plano vale mais a pena para quem faz a declaração de IR no formulário completo.

VGBL

Quando falamos de Vida Gerador de Benefício Livre, o imposto é calculado em cima do lucro no período. Nenhuma novidade para quem já investe: Você pega a diferença entre o valor a ser resgatado e o valor aplicado (lucro) e retira a alíquota do imposto de renda.

Como a previdência não tem come-cotas, esse imposto só é pago no momento do resgate (como acontece com títulos de renda fixa).

Tabela progressiva x regressiva

Assim como VBGL x PGBL, existe outra decisão que o investidor precisa fazer na hora de criar seu plano de aposentadoria: qual tabela de imposto ele deve seguir.

Tabela Regressiva

Quanto mais tempo você deixar o dinheiro rendendo, menos imposto você tem que pagar no final. É muito parecido com o imposto cobrado em aplicações de renda fixa, mas para previdência, o imposto inicial é maior: 35% e o imposto final é menor: 10%.

PrazoAlíquota
Até 2 anos35%
Acima de 2 anos a 4 anos30%
Acima de 4 anos a 6 anos25%
Acima de 6 anos a 8 anos20%
Acima de 8 anos a 10 anos15%
Acima de 10 anos10%

Aqui fica claro de porque previdência privada para curto prazo é uma má ideia: paga-se mais imposto do que em outros ativos. Em contra partida, no longo prazo, o investidor paga muito menos imposto do que outros investimentos.

Tabela Progressiva

Nesse modelo, o imposto de renda a ser pago cresce com o tempo. Isso faz com que essa opção seja válida em poucos casos, como por exemplo quando a aposentadoria está próxima.

ValorAlíquota
Até 22.499,13
De 22.499,14 a 33.477,727,50%
De 33.477,73 a 44.476,7415%
De 44.476,75 a 55.373,5522,50%
Acima de 55.373,5527,50%

Taxa de carregamento

Taxa de carregamento pode matar sua rentabilidade

Essa é uma taxa presente em muitos fundos de previdência. Ela é cobrada tanto no momento em que você faz o aporte quanto no momento que você realiza o resgate ou uma portabilidade.

Se uma taxa de carregamento é 1% e você aporta R$1000, R$10 são cobrados na forma dessa taxa. O lado bom é que hoje existem diversos fundos de previdência que aboliram as taxas de carregamento. Tanto de novos aportes quanto de portabilidade. É por isso que compensa dar uma boa estudada em qual fundo de previdência investir, porque isso pode fazer uma diferença gritante.

Para se ter uma noção, ao se comparar 2 fundos com rentabilidades iguais, mas um com taxa de carregamento de 2% e o outro sem carregamento. O primeiro no final das contas tem uma rentabilidade de 2% menor.

Portabilidade

Diferentemente de fundos normais, na previdência privada você consegue transferir o seu dinheiro de um fundo para outro com facilidade, sem precisar resgatar e reinvestir. Para fazer a portabilidade de um fundo para outro, você só precisa pagar a taxa de carregamento (se tiver).

O grande benefício de existir a portabilidade é que você não fica preso a uma escolha feita no passado.

Digamos que quando você decidiu fazer o seu plano de previdência, você tinha um apetite grande ao risco (mesmo em previdência) e por isso escolheu um fundo mais agressivo. Com o passar do tempo você começa a pensar se aquele fundo é o que mais se adequa com o que você espera do futuro. Não tem nenhum problema. É só fazer a portabilidade e pronto.

Tipos de Resgate

Tipos de resgate

Você investiu num fundo de previdência e, depois de 15 anos, finalmente chegou o momento de resgatar aquele dinheiro. Diferente de fundos normais, você tem mais de uma opção de resgate.

Resgate total

O nome já diz: você recebe todo o dinheiro que está aplicado de uma vez. É como funciona com os fundos normais.

Renda mensal

Outra forma de resgate que você pode fazer é ir resgatando um pouco a cada mês. Você escolhe qual a data para começar a receber essa pensão e qual a data para terminar.

Como a previdência é um investimento pensando na aposentadoria, para algumas pessoas faz mais sentido ter uma resgate mensal do que resgatar tudo de uma vez.

Renda mensal vitalícia

Caso você queira receber uma quantia pelo resto da vida, também existe essa opção. Nesse caso, a seguradora faz um cálculo para descobrir qual o valor que faz sentido pagar mensalmente.

Qual a diferença entre previdência privada e social?

A previdência social é um seguro social que todo trabalhador brasileiro contratado como CLT participa. Todo mês, no contracheque desse trabalhador, vem descontado uma quantia destinada ao INSS.

O objetivo é que no final da carreira desse empregado, ele possa retirar todo esse dinheiro já depositado que ficou rendendo durante esse período. A previdência social é o sistema público de aposentadorias que existe no Brasil.

Na prática, receber dinheiro do INSS nem sempre é a coisa mais fácil do mundo. Além disso, existe uma reforma da previdência em pauta que pretende mudar as regras do jogo.

Só depender de previdência social pode não ser uma boa ideia
Idosos na fila do INSS

É por isso que muitas pessoas preferem não depender somente do INSS e decidem fazer um plano de aposentadoria por conta própria.

É ai que entra a previdência privada.

Nesse caso, o trabalhador escolhe qual fundo (ou quais fundos) investir, os aportes que serão feitos, qual o plano de tributação e por ai vai.

Se por um lado a previdência privada dá mais trabalho por você ter que escolher todas essas variáveis, ela também é muito mais rentável.

Quer um exemplo? Olhe o fundo de previdência da Verde.

Verde Previdência batendo o CDI
Porque previdência privada faz sentido

Ele vem rendendo 158% do CDI. O cotista desse fundo consegue resgatar o dinheiro quando quiser no conforto de sua casa, evitando filas como as da foto acima.

Quando previdência privada vale a pena?

Como tudo na vida, a previdência tem seu lado bom e seu lado ruim. O mais importante é conseguir extrair o máximo dos pontos positivos.

Previdência conjunta com empresa

Uma modalidade bastante comum é existir um plano de previdência empresarial onde você aporta X por mês (deduzido diretamente do salário) e a empresa se compromete a aportar um valor também que costuma variar de entre 50 a 150%.

Nesse caso a empresa sai ganhando porque consegue reter seus talentos e também tem benefícios fiscais. E o principal beneficiado dessa modalidade é o próprio trabalhador.

No caso de você aportar R$300 por mês e a empresa aportar mais R$300, você já parte de uma rentabilidade de 100%. Sendo que esse valor ainda vai rentabilizar na mão do gestor do fundo.

Pensando no longo prazo

Se você está pensando em resgatar o dinheiro no curto ou médio prazo, fundos de previdência não são uma boa opção. No momento que você pensa em manter o dinheiro lá por 10 ou mais anos, esse ativo passa a ser muito vantajoso em relação aos outros. Isso acontece devido a benefícios fiscais como por exemplo a tabela regressiva e pelo fato de não ter come-cotas.

Sucessão patrimonial

Quem já passou pelo processo de inventário sabe o quão demorado e doloroso ele é. A previdência privada pode ser usada como uma forma de sucessão patrimonial fácil e rápida.

Como investir em previdência

Na prática, você precisa saber responder 3 perguntas antes de investir em um plano de previdência:

  • VGBL ou PGBL
  • Qual tabela: progressiva ou regressiva
  • Qual fundo aplicar

Quando você tiver essas respostas, tudo se torna fácil. É só ir no site da sua corretora e escolher o fundo que você deseja.

Exemplo da lista de previdências de uma corretora

Depois de decidir, você vai ser redirecionado para uma pagina onde você vai preencher qual a tabela que vai usar e se o modelo será PGBL ou VGBL.


A verdade é que uma vez decidido qual investimento fazer, a parte prática de investir é bem fácil hoje em dia.

Conclusão – Previdência é um bom investimento?

Se o pensamento for resgatar no longo prazo e o(s) fundo(s) escolhidos forem bons, a previdência tem uma capacidade gigantesca. Para o que se propõe (aposentadoria), previdência é um excelente investimento. Caso o objetivo não seja o longo prazo, existem investimentos muito melhores.

Já tem um fundo de previdência? Como você acompanha a rentabilidade dele e do resto da sua carteira? Experimente o Real Valor. É 100% gratuito.