fbpx
Usar de graça Acesse sua conta

Rockefeller e Petróleo: o início de tudo!

O homem considerado o mais rico da história moderna, John D. Rockefeller, tinha o monopólio do petróleo nos EUA.

Sabe  Exxon, Chevron, Atlantic, Mobil e a Amoco? Essas empresas na verdade eram uma só: a Standard Oil. Sua empresa durou algumas décadas.  até que em 1911 o tribunal supremo dos Estados Unidos entendeu que a empresa era um monopólio e ordenou a criação de 34 novas empresas menores. 

Hoje vou contar um pouco da história do homem mais rico da história. Nunca tinha ouvido falar? Então continua lendo!

Não é surpresa para ninguém que apesar de já termos alternativas energéticas no mundo, o petróleo ainda é a commodity (mercadoria) mais negociada no mundo.  

Usado como matéria-prima para a gasolina e outros subprodutos, o petróleo é um recurso natural não renovável, que possui grande impacto nas negociações políticas, associações entre países e algumas confusões pelo mundo. 

Quem não lembra no começo de 2020 a pressão da Arábia Saudita em cima da Rússia? Os contratos futuros de barril de petróleo inclusive chegaram a ficar negativos e deu uma confusão danada.

Pois bem, eu fiz um texto aqui sobre o mega empresário que além de ajudar a industrializar os Estados Unidos deixou os bancos para trás e teve a primeira empresa a atingir o patamar de U$ 100 milhões em valor de mercado em 1878: Cornelius Vanderbilt, o barão das ferrovias.

Sua história esbarra com o gigante da indústria de petróleo: John D. Rockefeller e a pedidos, vim contar sobre sua trajetória e quais lições podemos tirar enquanto investidores. 

Quem é John Davison Rockefeller?

Nascido na cidade de Richmond em 8 de Julho de 1839, Rockefeller é considerado o homem mais rico do mundo. Quando morreu, em 1937, seu patrimônio líquido era de cerca de US$ 340 bilhões. 

Para você ter uma ideia, Jeff Bezos (criador da Amazon), homem mais rico em 2020, tem US$ 204,6 bilhões. 

E como John D. conseguiu tamanha proeza?

Desde cedo, ele já tinha uma veia empreendedora. 

Rockefeller começou a trabalhar muito cedo como engraxate e vendendo doces caseiros para sustentar a família, pois seu pai era um golpista e vivia como nômade e a família não podia contar com ele. 

Com o dinheiro que sobrava, John costumava visitar cafés e restaurantes onde os ricos e poderosos iam. Pedia uma xícara de café e observava o comportamento das pessoas. 

Assim conheceu as regras de etiqueta da época, prestava atenção nas conversas que tinham e foi aprendendo sobre o mundo dos ricos.

Desenvolveu sua paixão por música e números e durante o high school decidiu que queria ser contador. Aos 16 conseguiu seu primeiro emprego como assistente. 

Aos 20 anos, abriu seu negócio de atacado de alimentos com sócio Maurice B. Clark e 4 anos mais tarde decidiu que era hora de mudar de ramo. Se associaram ao químico Samuel Andrews para construir sua primeira refinaria de petróleo na cidade de Cleveland.

Para a construção eles investiram US$ 4.000, e ela foi inaugurada em 1863 com o nome de Rockefeller & Andrews.

rockefeller-&-andrews

Fé inabalável e o encontro com Vanderbilt

Rockefeller era um homem muito religioso. Uma vez precisava viajar a trabalho, mas perdeu o horário do trem. Tragicamente, esse trem descarrilou e todos os passageiros morreram. 

Quando soube do acidente, John encarou isso com um sinal divino de que ele havia sido escolhido por Deus para prestar um grande serviço para humanidade. Essa fé inabalável, seguiu Rockefeller por toda sua trajetória e quando ele precisava tomar alguma atitude mais agressiva, ele se pegava nessa ideia de ter sido um escolhido. 

Do outro lado da história,temos Cornelius Vanderbilt que era dono da quase totalidade das ferrovias do país na época. Porém, o Comodoro (como Vanderbilt era conhecido) enfrentava um problema: precisava encher seus trens e decidiu, então, começar a transportar novas cargas. 

O querosene, subproduto do petróleo, estava em alta  porque a iluminação do país era com lamparinas a querosene. Com o aumento da demanda, o comodoro enxerga uma nova oportunidade. E é aí que sua história se cruza com a de John D. Rockefeller.

Eles fecham um contrato de exclusividade.

Aqui entra um detalhe importante da negociação: Rockefeller prometeu encher mais de 60 vagões todos os dias, porém sua capacidade de produção era a metade disso.

omg-rockefeller

Ele precisava aumentar a sua produção e para isso começou a procurar investidores. Para quem gosta de gestão, esse é o famoso PDCA – Promete e Depois Corre Atrás.

Querosene e segurança

O querosene não era o produto mais bem visto pelos investidores, era muito volátil e volta e meia nas capas do jornal aparecia uma notícia de explosões e incêndios de casa. 

É aí que John D. decide fabricar o querosene mais seguro, uniforme e padrão. Assim cria a Standard Oil ( traduzido do inglês “óleo padrão”).

Em pouco tempo, Rockefeller cumpriu a promessa com Vanderbilt e seu querosene estava sendo entregue, abastecendo e iluminando as casas dos EUA.

Escoar produção

Com o tempo, a produção do petroleiro John Rockefeller aumenta e as linhas de Vanderbilt já não são mais suficientes.

Sabendo disso, o concorrente de Cornelius Vanderbilt, Tom Scott que era presidente de uma das maiores linhas de trens do país e queria tomar o lugar de Vanderbilt, sabe que um contrato com Rockefeller é o segredo para bater de frente com seu concorrente.

Scott e Carnegie (seu protegido) vão até Rockefeller para propor uma aliança de cartel entre petróleo e ferrovias. A Standard Oil teria abatimento de 40% em cada barril transportado pelas linhas de Scott.

Ao aceitar a proposta, o petroleiro coloca os empresários das ferrovias um contra o outro na disputa para transportar a produção de querosene, mas não por muito tempo. 

Surge o primeiro monopólio

Com as ferrovias no bolso, Rockefeller consegue entregar querosene para todas as casas dos EUA. Ele queria ser o dono de todas as refinarias do país e com o lucro, ele inicia práticas agressivas para aumentar participação do mercado e compra seus concorrentes.

A Standard Oil se torna o primeiro monopólio do país e Rockefeller passa a controlar 90% do suprimento de petróleo. Aos 33 anos ele se torna o homem mais poderoso do país. 

Vanderbilt percebe que para combater Rockefeller as ferrovias devem trabalhar juntas. Com isso, ele forma uma aliança inesperada com Tom Scott para encerrar as negociações com Rockefeller e aumentam as taxas de transporte do petróleo. 

John entende isso como uma declaração de guerra. Sua veia competitiva não deixaria barato. 

Sempre é possível inovar

Em uma reunião com o químico da Standard Oil, Rockefeller percebeu que dentro da refinaria, o petróleo era transportado internamente por canos em distâncias curtas. Por que então não transportava em distâncias longas? Dessa forma ele conseguiria eliminar as ferrovias do mercado de petróleo para sempre. 

Assim, iniciou a construção de uma tubulação com mais de 6 mil km de comprimento, atravessando Ohio e Pensilvânia e conectando os poços mais lucrativos do mundo e conectando as refinarias de Rockefeller.

Pipeline History | About Pipelines - Rockefeller-petroleo-transporte

Assim surgia o primeiro oleoduto da história

Dessa forma ele revolucionou a forma de transportar petróleo e coloca as ferrovias onde ele quer.

Estoura uma bolha

As ferrovias foram responsáveis por industrializar os EUA e durante muito tempo transportavam o petróleo por todo país, que significavam 40% de sua carga.

Com a tubulação construída por Rockefeller, percebeu-se que foram construídas ferrovias em excesso e sem cargas para transportar, elas estavam perdendo dinheiro. 

As empresas começam a sofrer, suas ações desabam no mercado financeiro, os investidores entram em pânico, os preços saem do controle, 33% das 360 empresas ferroviárias decretam falência. 

Inicia-se a primeira grande crise nos EUA. A pior até então. Sem saber como evitar um colapso completo, o mercado de ações fecha por 10 dias. E você nervoso com os circuit breakers do começo do ano

Pela primeira vez não havia emprego nos EUA.

Enquanto as maiores empresas do país lutavam para sobreviver, Rockefeller compra todas as suas concorrentes de petróleo falidas com valores muito descontado. Quando a depressão acaba, Rockefeller tinha o maior império corporativo americano. 

No meio da crise, Vandebilt falece e deixa para seu filho um império de 105 milhões de dólares.

A empresa de Tom Scott sobrevive. Ele e seu pupilo Andrew Carnegie não desistem tão fácil e já que a tubulação de Rockefeller não chega a Pittsburgh, ele continua usando os trens de Scott. Porém Tom e Andrew sabem que precisam diversificar seus negócios e pensam em um plano agressivo, construindo uma tubulação própria. 

Em resposta, John Rockefeller fecha todas as refinarias de Pittsburgh. 

Apesar de custar muito em perda de lucros, a intenção de Rockefeller aqui era destruir a competição de Tom Scott.

Sem o petróleo, Scott perde mais de metade de seus negócios e é forçado a demitir funcionários e cortar salários. Em reação, os trabalhadores ferroviários se revoltaram em Pittsburgh e a cidade foi o epicentro da pior violência do país durante a Grande Greve Ferroviária de 1877.

Foi assim que Rockefeller destruiu Tom Scott e substituiu Cornelius Vanderbilt como o homem mais rico dos EUA. Sua rede valia mais de US$ 150 milhões o equivalente a US$ 225 bilhões hoje em dia. Nessa época, Rockefeller com a Standard Oil detinha 98% do querosene e produção do mundo. 

Ufa! Uma história e tanto, mas o que de fato podemos enxergar nesse texto enquanto investidores. 

rockefeller-petroleo-chocada

Aprendizado e educação financeira

Me chamou muita atenção o fato de Rockefeller pegar o que sobrava de seu dinheiro para aprender como os ricos se comportavam, o assuntos que falavam. Foi uma forma de ele aprender um novo mundo. Se tem um investimento que sempre vai ter bons retornos é o aprendizado e a educação. 

Da mesma forma que meus pais, tios, avós falaram que para prosperar, precisa estudar, no mercado financeiro não é diferente.

Para quem já investe sabe que vai precisar se dedicar algum tempo para estudar e entender o mercado.

Perfil de investidor e apetite para risco 

Eu acredito que Rockefeller era um homem arrojado quando o assunto é risco. Ao prometer entregar o dobro do que produzia para Vanderbilt transportar, para mim foi uma jogada de mestre, mas arriscada. 

Avaliar os riscos que se pode correr é importante. Por isso quando investimos precisamos saber até onde podemos ir de acordo com o nosso perfil de investidor e apetite para risco, que na verdade é apetite para perda. Não temos aversão ao risco, mas sim a perda

Quando há crise, há oportunidade

Rockefeller enxergou isso quando a bolha de 1873 estourou e comprou seus concorrentes a valores muito baixos, o que ajudou a consolidar o seu império. 

Na crise do mercado imobiliário de 2008, algumas pessoas enxergaram antecipadamente que havia uma bolha e apostaram contra o mercado. Se você ainda não viu, aconselho fortemente o filme A grande aposta que conta como isso aconteceu. 

Em 2020, quando tivemos os circuit breakers, muitas empresas viram seus preços despencarem. E muitos investidores aproveitaram para comprar ações de empresas com bons fundamentos e encarteirar. 

Já dizia Warren Buffet: 

Compre ao som dos canhões e venda ao som dos violinos

Que outras lições você consegue enxergar ao ler esse texto?

Tem vontade de saber mais sobre outros notáveis capitalistas?

Manda mensagem aqui embaixo! Estava pensando em contar sobre o maior capitalista brasileiro da história. Sabe quem ele foi?

banner-real-valor
189 / 324

Leave a Reply

Required fields are marked