Quais são os principais indicadores fundamentalistas?

Para investir na Bolsa, é preciso analisar com profundidade as companhias e existem indicadores que auxiliam nesse processo. Essa é a base de todo o mercado. Tanto é que analistas dedicam anos de estudo, em faculdades de Economia e em cursos de pós-graduação, para aprender mais sobre o assunto. No final, todos esses anos de estudo são dedicados a responder uma pergunta principal: vale a pena comprar determinado papel?

Uma das formas de responder essa questão é através da análise fundamentalista, um dos mais clássicos e famosos modelos de avaliação acionária.  

O que é a análise fundamentalista?

Conforme o próprio nome já diz, este tipo de análise de dedica a avaliar os fundamentos de uma empresa. Seu precursor foi o economista e professor de Columbia, Benjamin Graham, também conhecido como o “mentor” de Warren Buffett, outro investidor adepto da análise fundamentalista). 

Os economistas avaliam uma série de fatores para tentar descobrir o valor intrínseco de uma ação, ou seja, o quanto ela realmente deveria valer considerando todos os indicadores da empresa, a situação do segmento em que a empresa atua e o contexto econômico nacional e internacional. 

Isso é importante porque:

  • Se a ação estiver mais barata do que realmente vale, então é hora de comprar (para lucrar com sua valorização depois);
  • Se a ação estiver mais cara, não vale a pena investir nela, porque seu preço está superestimado. 

É claro que tudo isso são apenas estimativas e o mercado financeiro é muito incerto e volátil para definir regras concretas, mas a análise fundamentalista pode ser uma boa base para tomar decisões de investimentos

E a análise técnica?

De certa forma, a análise técnica se opõe à fundamentalista. Isto porque ela se baseia mais em gráficos e costuma ser mais usada para operações de curto prazo (também por esse motivo, tem se tornado popular entre os day traders). 

Olhando as tendências passadas de um determinado papel através de gráficos, os analistas tentam “prever” qual o cenário mais provável para a ação no futuro: cair ou subir. 

Neste tipo de avaliação, os traders buscam enxergar padrões de comportamento dentro do mercado financeiro para buscar lucros com suas negociações. 

Por que os indicadores fundamentalistas são importantes?

Os indicadores fundamentalistas, quando avaliados em conjunto, podem ser bons parâmetros para tomada de decisão. Eles podem ajudar a encontrar oportunidades “escondidas” na Bolsa e também são uma ferramenta para evitar ciladas. Exemplo: avaliando os fundamentos da empresa, você não vai comprar uma ação só porque “está na moda” e acabar pagando mais caro do que realmente deveria. 

Além disso, com este tipo de indicador, você pode avaliar melhor uma empresa, sua situação financeira e suas perspectivas de crescimento futuras. 

“Esteja sempre pronto” – Fonte: Giphy

Quais indicadores são usados na análise fundamentalista?

Antes de apresentar os principais indicadores fundamentalistas, é importante lembrar que, para fazer uma análise completa e mais certeira, você não deve olhar apenas para um indicador. É apenas considerando o conjunto de fatores que você consegue tomar uma decisão de investimento mais embasada. 

Valor da empresa (EV)

O valor da empresa, ou enterprise value, representa a capitalização do negócio. Quanto maior o EV, mais desenvolvida tende a ser a empresa. O EV é calculado multplicando a cotação atual da ação pelo número total de ações negociadas. Nesse cálculo, se considera também o endividamento bancário líquido da empresa: seus empréstimos e financiamentos menos o saldo em caixa. 

É a partir do EV que se faz a classificação entre Blue Chips (ou Large Caps), Mid Caps e Small Caps. 

As blue chips são as empresas com maior capitalização negociadas na Bolsa, como Vale (VALE3), Petrobras (PETR4), Itaú (ITUB4) e entre outras. Já as mid caps são as “medianas”, como Natura (NTCO3), Marfrig (MRFG3) e Raia Drograsil (RADL3). Por fim, as small caps são as “pequeninas”, como Enjoei (ENJU3), CVC (CVCB3) e Fleury (FLRY3). 

P/L (Preço/Lucro)

Um dos indicadores fundamentalistas mais vistos nas matérias de finanças e economia é o P/L. Basicamente, ele indica a relação entre o preço de um ativo e o quanto ele pode oferecer de lucros. O cálculo é feito dividindo a cotação atual do papel pelo lucro por ação referente aos últimos 12 meses. 

Através deste indicador, você pode ver quanto o mercado está pagando por cada ação da empresa. O P/L indica quantos anos seriam necessários para o investidor conseguir o retorno do seu investimento naquela determinada ação.

Exemplo: se a ação estiver precificada a R$ 10 e o lucro por ação nos últimos 12 meses for de R$ 2, então são necessários 5 anos para que o investimento “se pague”. 

Se o P/L estiver alto, isso significa que o mercado está disposto a pagar mais pelos lucros da empresa. No entanto, pode ser que o lucro esteja muito baixo ou que a ação está cara, portanto, é preciso avaliar outros indicadores para entender melhor o cenário. 

LPA

Diretamente relacionado com o indicador anterior, o LPA é o lucro por ação, um dos elementos usados para o cálculo do P/L. 

Para obter o valor do LPA, basta dividir o lucro líquido da empresa pelo número de ações que ela possui em circulação. Com este indicador, você consegue ter uma noção de quanto aquele determinado ativo está oferecendo de retorno para o investidor

Receita Total

A receita total, também chamada de receita bruta, sinaliza todos os recursos que entraram no caixa decorrentes das atividades fim da empresa, antes da dedução de impostos ou amortização de dívidas. Por exemplo, se for uma loja, é a soma da receita vinda de todos os produtos que ela vendeu. 

EV/EBITDA

O EBTIDA provavelmente é um dos indicadores fundamentalistas mais usados e mencionados no mercado financeiro. A sigla é longa e pode ser difícil de entender de primeira: Earning Before Interests, Taxes, Depreciation and Amortization. Traduzindo para o português, significa o lucro obtido pela empresa, antes dos juros, impostos, depreciação e amortização. O EBITDA, ou LAJIDA na sigla em português, também pode ser lido como lucro operacional

Analisando o EBITDA, é possível medir o potencial de geração de caixa de uma empresa, assim como sua eficiência e produtividade. Por esse motivo, esse indicador é um dos queridinhos dos analistas fundamentalistas.

O EV (enterprise value), já explicado mais acima, é a soma do valor de mercado da empresa com seu total de empréstimos e financiamentos. Ao dividir o valor da empresa (EV) pelo EBTIDA, portanto, se tem uma comparação do quanto a empresa custa em relação ao que ela produz. Você pode saber quanto do caixa da empresa está de fato pagando suas dívidas.

ROE

ROE é a sigla em inglês para “return on equity”, ou retorno sobre o patrimônio. Ele é calculado dividindo o lucro líquido pelo patrimônio líquido em um determinado período. Um valor alto pode demonstrar que a empresa tem boa capacidade de gerar bons retornos a partir de seus recursos. 

Esse indicador fundamentalista pode mostrar o quão eficiente é a gestão de uma determinada companhia, uma vez que indica o quanto de lucros o negócio consegue gerar a partir de seus ativos

Dividend Yield

O dividend yield é um dos indicadores mais usados por aqueles investidores que buscam empresas boas pagadoras de dividendos na Bolsa. Isto porque ele indica qual o potencial de pagamento de um determinado papel, comparado com o investimento que foi feito para comprá-lo. 

Para calcular o dividend yield, basta dividir os dividendos pagos por ação nos últimos 12 meses pela cotação da ação. 

Ele pode ser um bom parâmetro para comparar empresas do mesmo setor e ver qual está sendo mais “generosa” com seus proventos. 

Margem Bruta

A margem bruta é calculada a partir do lucro bruto, que é a receita adquirida pela empresa com suas vendas menos os custos envolvidos exclusivamente com seus produtos e serviços. Ou seja, nesse cálculo, não entram os custos administrativos, com impostos ou quaisquer outras despesas que a empresa tenha (instalações do escritório, pagamento de funcionários, pagamento de dívidas etc). 

Dividindo o lucro bruto pela receita é possível calcular, portanto, a margem bruta. Ela pode ser um bom indicador para gestores e investidores sobre a lucratividade da empresa. 

Margem Líquida

Da mesma forma, a margem líquida é calculada a partir do lucro líquido, que considera também os custos administrativos, os impostos e todas as outras “despesas fixas” da empresa. Ela também é um indicador de rentabilidade da empresa, já que pode-se calcular o que efetivamente a empresa gerou de lucro, após o pagamento de todas as suas contas. 

Acompanhe todos esses indicadores fundamentalistas no aplicativo do Real Valor

Agora é possível ver todos os indicadores fundamentalistas listados acima no aplicativo do Real Valor. Você também pode ter acesso a notícias relacionadas às empresas listadas na Bolsa, sem precisar sair do app. 

O Real Valor é um consolidador de investimentos, ou seja, ele reúne todas as suas aplicações financeiras (em Bolsa, Tesouro Direto, fundos, criptomoedas) em uma só interface, para te ajudar a acompanhar o desempenho da sua carteira de investimentos

No aplicativo, que é completamente gratuito, você também pode:

  • Ver os indicadores fundamentalistas das empresas listadas na Bolsa brasileira;  
  • Importar de forma automática os investimentos através de plataformas como CEI e Tesouro Direto;
  • Comparar a carteira com os principais benchmarks do mercado de investimentos;
  • Acompanhar dividendos, grupamentos, desdobramentos (splits) entre outros eventos corporativos;
  • Contabilizar vendas, bem como os lucros em cada operação fechada;
  • Ver extrato extrato das operações realizadas.

QUERO BAIXAR O APP DO REAL VALOR E VER OS INDICADORES FUNDAMENTALISTAS DAS EMPRESAS DA B3